dicas de flores

A flor é a estrutura reprodutora característica das plantas denominadas espermatófitas ou fanerogâmicas. A função de uma flor é a de produzir sementes através da reprodução assexuada. Para as plantas, as sementes representam a próxima geração e servem como o principal meio através do qual as espécies se perpetuam e se propagam.
Todas as espermatófitas possuem flores que produzirão sementes, mas a organização interna da flor é muito diferente nos dois principais grupos de espermatófitas: gimnospérmicas e angiospérmicas.
As gimnospérmicas podem possuir flores que se reúnem em estróbilos, ou a mesma flor pode ser um estróbilo de folhas férteis. Por sua vez, uma flor típica de angiospérmca é composta por quatro tipos de folhas modificadas, tanto estrutural como fisiologicamente, para produzir e proteger os gametas: sépalas, pétalas, estames ecarpelos.[1]
Nas angiospérmicas, a flor dá origem, após a fertilização e por transformação de algumas das suas partes, a um fruto que contém as sementes.[2]
Os grupo das angiospérmicas, com mais de 250 mil espécies, é uma linhagem com sucesso evolutivo, comportando a maior parte da flora terrestre existente. A flor de angiospérmica é a característica que define o grupo e é, provavelmente, um fator chave para o seu êxito evolutivo. A flor é uma estrutura complexa, cujo plano organizacional encontra-se conservado em quase todos os membros do grupo, embora apresente uma grande diversidade na morfologia e fisiologia de todas e cada uma das peças que a compõem. A base genética e adaptativa de tal diversidade está a começar a ser compreendida em profundidade,[3] assim como a sua origem, que data do Cretácico inferior, e sua posterior evolução em estreita interação com os animais que se encarregam de transportar e disseminar os gametas.
Independentemente dos aspectos já assinalados, a flor é um objeto importante para os seres humanos. Através da história e das diferentes culturas, a flor sempre teve um lugar nas sociedades humanas, quer pela sua beleza intrínseca quer pelo seu simbolismo. De facto, cultivamos especies para que nos providenciem flores, desde há mais de 5 mil e, actualmente, essa arte transformou-se numa indústria en contínua expansão: a floricultura.

Definição

Flores vermelhas.
A flor é uma estrutura de crescimento determinado que é composta por folhas modificadas, quer estrutural quer funcionalmente, com vista à realização das funções de produção dos gametas e de protecção dos mesmos, através dos antófilos.[a][2]
O caule caracteriza-se por um crescimento indeterminado. Em contraste, a flor apresenta um crescimento determinado, já que o seu meristema apical pára de se dividir mitoticamente depois da produção de todos os antófilos ou peças florais. As flores mais especializadas têm um período de crescimento mais curto e produzem um eixo mais curto e um número mais definido de peças florais em relação às flores mais primitivas.
A disposição dos antófilos sobre o eixo, a presença ou ausência de uma ou mais peças florais, o tamanho, a pigmentação e a disposição relativa das mesmas, são responsáveis pela existência de uma grande variedade de tipos de flores. Tal diversidade é particularmente importante nos estudos filogenéticos e taxonómicos das angiospérmicas. A interpretação evolutiva dos diferentes tipos de flores têm em conta os aspectos da adaptação da estrutura floral, particularmente aqueles que estão relacionados com a polinização, a dispersão dos frutos e das sementes e a protecção das estruturas reprodutoras contra os predadores.[4][5][6]

 Morfologia das flores: diversidade e tendências evolutivas..

Com mais de 250 mil espécies, as angiospérmicas formam um grupo taxonómico com sucesso evolutivo, que comporta a maior parte da flora terrestre existente. A flor é a característica que define o grupo e é, provavelmente, um factor-chave no seu êxito evolutivo.[3]
A flor está unida ao caule por uma estrutura denominada pedicelo, que se dilata na sua parte superior para formar o receptáculo floral, no qual se inserem as diversas peças florais. Essas peças florais são folhas modificadas que estão especializadas nas funções de reprodução e de protecção. De fora para dentro de una flor típica de angiospérmica podem ser encontradas peças estéreis, com função de protecção, e que são compostas por sépalas e pétalas. Por dentro das pétalas dispõem-se as denominadas peças férteis, com função reprodutiva, e que são compostas por estames e carpelos. Os carpelos das angiospérmicas são, em relação aos carpelos dos seus ancestrais, uma estrutura inovadora, já que pela primeira vez na linhagem, encerram completamente o óvulo, de forma que o pólen não cai directamente no óvulo (como nas gimnospérmicas) mas numa nova estrutura do óvulo chamada estigma, que recebe o pólen e estimula a formação do tubo polínico que se desenvolverá até ao óvulo para produzir a fecundação.[7]
A flor das angiospérmicas é uma estrutura complexa, cujo plano organizacional se encontra conservado em quase todas as angiospérmicas, com a notável excepção de Lacandonia schismatica (Triuridaceae) que apresenta os estames em posição central rodeados dos carpelos.[8][9] Esta organização tão pouco variável não indica de modo algum que a estrutura floral se encontra conservada através das diferentes linhagens de angiospérmicas. Pelo contrário, existe uma tremenda diversidade na morfologia y fisiologia de todas e cada uma das peças que compõem a flor, cuja base genética e adaptativa está a começar a ser compreendida em profundidade.[3]
Foi sugerido que existe uma tendência na evolução da arquitectura floral, desde un plano "aberto", no qual as variações são determinadas pelo número e disposição das peças florais, até um plano "fechado", no qual o número e disposição das peças são fixados.[10] Em tais estruturas fixas, as elaborações evolutivas ulteriores podem ter lugar através da concrescência, ou seja, por meio da fusão ou estreita conexão das diferentes partes.[11] O plano de organização "aberto" é comum nas angiospérmicas basais e nas primeiras eudicotiledóneas, enquanto que o plano de organização "fechado" é a regra no clado Gunneridae (ou eudicotiledóneas nucleares) e nas monocotiledóneas.[12]

 Fórmula Floral

A fórmula floral é um sistema muito útil de representação da estrutura de uma flor, em que se usam letras, números e símbolos específicos.
Normalmente, a fórmula geral é usada para representar a estrutura floral e vegetal de uma família dicotiledônea, ao invés de espécies em particular como as margaridas. Ela é usada em normas cultas e principalmente em nossos vocabulários que é marsupiais são plantas e insetos agradável ao nosso organismo vasculares .
Assim temos:
K = cálice ou S = sépalas (ex.: S5 = cinco sépalas) C = corola ou P = Pétalas (ex: C3(x) = número de pétalas é múltiplo de três) Z = acrescente se zigomórfica (ex: CZ6 = zigomórfica com 6 pétalas)
A = androceu ou E = estames e abelhais,uma parte fundamental no cranio fecundatiovo da planta racional que é muito utilizada como radiografia de uma planta feminina que é chamada como parte masculina; ex.: A∞ = vários estames-constituídos por 1 antera e 1 filete cada um G = gineceu ou C = carpelos (parte feminina; ex.: G1 = monocarpelar)
x - indica um "número variável" ∞ - indica "muitos
Usa-se algarismos para mostrar o número de peças em cada ciclo e, se estiverem soldadas entre si, coloca-se entre parênteses.
As letras H, P ou E, colocadas no final, indicam se a flor é hipógina perígina ou epígina e os símbolos " */* "ou " * " indicam , respectivamente se a simetria é bilateral ou radial.
Mature flower diagram-es.svg
A fórmula floral poderá ser algo assim:
K5C5A10-∞G1



 Função


Girassóis em Fargo, cidade localizada na Dakota do Norte.

Abelha com grãos de pólen
A função da flor é mediar a união dos esporos masculino (micrósporo) e feminino (megásporo) num processo denominado polinização. Muitas flores dependem do vento para transportar o pólen entre flores da mesma espécie. Outras dependem de animais (especialmente insetos) para realizar este feito. O período de tempo deste processo (até que a flor esteja totalmente expandida e funcional) é chamado anthesis. A maior flor encontrada é a Rafflesia arnoldii, espécie na qual alguns dos exemplares encontrados já chegaram a 1 metro de diâmetro e 11 kg. [13]
Muitas das coisas na natureza desenvolveram-se para atrair animais polinizadores. Os movimentos do agente polinizador contribuem para a oportunidade de recombinação genética com uma população dispersa de plantas. Flores como essas são chamadas de entomófilas (literalmente: amantes de insetos). Flores normalmente têm nectários em várias partes para atrair esses animais. Abelhas e pássaros são polinizadores comuns: ambos têm visão colorida, assim escolhendo flores de coloração atrativa. Algumas flores têm padrões, chamados guias de néctar, que são evidentes na espectro ultravioleta, visível para abelhas, mas não para os humanos. Flores também atraem os polinizadores pelo aroma. A posição dos estames assegura que os grãos de pólen sejam transferidos para o corpo do polinizador. Ao coletar néctar de várias flores da mesma espécie, o polinizador transfere o pólen entre as mesmas.
O aroma das flores nem sempre é agradável ao nosso olfato pode ser veneno fatal para as pessoas. Algumas plantas como a Rafflesia, e a PawPaw Norte-Americana (Asimina triloba) são polinizadas por moscas, e produzem um cheiro de carne apodrecida para atrair esses ajudantes.
Outras flores são polinizadas pelo vento (as gramíneas por exemplo) e não precisam atrair agentes polinizadores, tendendo assim a possuir aromas discretos. Flores polinizadas pelo vento são chamadas de anemófilas. Sendo assim o pólen de flores entomófilas costuma ser grudento e de uma granulatura maior, contendo ainda uma porção significante de proteína (outra recompensa para os polinizadores). Flores anemófilas são normalmente de granulatura menor, muito leves e de pequeno valor nutricional para os insetos.
Existe muita contradição sobre a responsabilidade das flores nas alergias. Por exemplo, o entomófilo Goldenrod(Solidago) é frequentemente culpado por alergias respiratórias, o que não é verdade, pois seu pólen não é carregado pelo ar. Por outro lado, a alergia é normalmente causada pelo pólen da anemófila Ragweed(Ambrosia), que pode vagar com o vento por vários quilômetros.

Flores são motivos que inspiram a decoração
 Hermafroditismo
Ao contrário do que normalmente é lido, nenhuma flor pode ser considerada hermafrodita. Como hermafrodita, considera-se o organismo capaz de produzir gametas masculinos e femininos. No entanto, a flor, por ser uma estrutura do esporófito, é estritamente assexuada; não produz gametas e sim esporos. Os esporos são responsáveis pela reprodução assexuada do vegetal. Dessa forma, a flor fica impedida de ser designada hermafrodita. A confusão deve-se à prática botânica que convencionou chamar o megásporo de "esporo feminino" e o micrósporo de "esporo masculino", devido à diferença de tamanho entre eles - o mesmo parâmetro usado para diferenciar os gametas feminino (maior) e masculino (menor).


Dicas de flores...


Mini rosas

Existem dois tipos de rosas de crescimento compacto, mas com floração abundantes: as mini-rosas e as biscuits. Elas alcançam de 30 a 60 cm de altura.
Elas têm florescimento continuo, com botões isolados ou em cachos, nas cores, branca, vermelha, amarela, rosa, laranja e púrpura.
Devido a grande durabilidade das flores de ambos os grupos, elas são muito boas para o plantio em vasos, jardineiras e forrações de pequenos espaços. Sem falar que pequenas e charmosas estão enfeitando ainda mais os interiores.

COMO CULTIVAR
Assim que as mudas tiverem pegado, é necessário fazer transplante para o vaso definitivo, com uma boca de mais ou menos 12 centímetros. Após 40 ou 50 dias as mudinhas já estarão crescidas, desabrochando, inclusive algumas flores. Sendo assim será necessário fazer a primeira poda, deixando apenas 5 cm de talo. A segunda poda somente será feita alguns meses depois, quando as plantas estiverem floridas pelo menos duas vezes. O talo neste caso devera ter uns 10 cm.

MULTIPLICAÇÃO POR ESTACAS
Escolha no fim da primavera, um galho sadio com as pétalas da flor ainda por cair. A parte superior do ramo deve ser removida e a estaca cortada em diagonal, com 15 cm de comprimento. Remova as folhas, espinhos e gemas, menos a primeira que deverá ser deixada para brotar. Espete a estaca diretamente num recipiente contendo o solo preparado. Para garantir a iluminação indireta, cubra a estaca com um plástico. A brotação nova deverá ocorrer em torno de 4 a 6 meses, quando poderá ser transplantada para um local definitivo.

ADUBAÇÃO
Convém adicionar ao solo 1/3 de composto orgânico ou esterco bovino bem curtido, e ainda enriquecer a mistura com farinha de osso.
REGAS
Logo depois de plantar as mudas, até a primeira floração, regue diariamente enquanto não chover e depois de 50 a 60 dias, terminada a floração, a terra devera ser mantida ligeiramente seca entre uma e outra rega.

Maria sem vergonha

Também conhecida como flor beijinho, beijo turco e Impatiens walleriana, está é uma planta de origem africana que se caracteriza por possuir várias flores pequenas e multicoloridas, além da sua estatura de aproximadamente meio metro e folhas compridas.
Ela é uma planta considerada perene pelo fato de florescer bem todo o ano, embora quando fica um pouco velha perde parte de sua boa aparência, necessitando um pouco de trabalho para renovar o jardim de tempos em tempos.
Geralmente se plantam várias delas em grupos no jardim para dar um bom efeito com a diversidade de cores de suas flores.

Como Cuidar

Devido a sua alta adaptação ao clima nacional é considerada uma planta de muito fácil cultivo, podendo ser criada sem restrições quanto ao sol.

Um solo com bastante matéria orgânica facilitará seu crescimento e a adubação com fósforo estimula a maior floração, o que é extremamente aconselhável de se fazer uma vez que essa planta se destaca principalmente quando apresenta muitas flores juntas.
Quanto a irrigação, plantas de hábitos tropicais apreciam estarem sempre úmidas, apenas tenha cuidado para não encharcá-la e assim favorecer o crescimento de fungos.
Após alguns anos ela começará a ficar com aparência de “velha”, então deve-se remover mudas e replantá-las, ou simplesmente adquirir novas plantas, uma vez que elas são bem fáceis de se achar.

Flor BeijinhoBeijinho Impatiens WallerianaFlor de Impatiens

Esta é uma planta que nao requer muitos cuidados, e que proporciona esta maravilhosa visão ao jardim, tenho mais de 50 em meu jardim, plantadas em vasos e em canteiros,

Alpínia

Características

A Alpínia, de nome cientifico Alpinia Purpurata e também conhecida como Gengibre Vermelho graças a aparência de suas brácteas (por muitos confundidas com flores), estruturas formadas por folhas vermelhas de forma a proteger a pequena flor branca que nasce em seu interior.
Suas brácteas vermelhas que contrastam com o verde de suas folhas, o que faz dela uma planta muito utilizada para fins ornamentais dando um toque mais vivos a ambientes com alguns temas, como restaurantes tropicais.

Como Cuidar

Por ser uma planta originária de um país tropical (Malásia) ela não desenvolveu resistência ao frio e não é aconselhável para moradores de regiões geladas, pois elas podem morrer facilmente durante o inverno.
Se criada corretamente, com irrigações diárias e em solo altamente fértil e adubado (assim como o solo malasiano), esta planta tende a crescer bem rápido e se espalhar bem. Por isso lembre-se, muita luz, calor, solo fértil e água para essa planta, obviamente água suficiente para manter o solo úmido sempre, mas não encharcado.
Quanto ao sol, evite a exposição durante o periodo do meio dia durante o verão para que não queime as folhas e deixe a planta com aparência ruim, porém ela sobrevive muito bem ao sol e necessita de uma boa dose diária, logo não ponha-a em lugares muito escuros. Aconselha-se criá-la em varandas ou sob a sombra parcial (nunca total) de outra planta maior.
Quanto ao sol, evite a exposição durante o periodo do meio dia durante o verão para que não queime as folhas e deixe a planta com aparência ruim, porém ela sobrevive muito bem ao sol e necessita de uma boa dose diária, logo não ponha-a em lugares muito escuros. Aconselha-se criá-la em varandas ou sob a sombra parcial (nunca total) de outra planta maior.
Flor da AlpíniaFotografia de Alpinia Purpurata

Amarílis

Características

A Amarílis, que é também conhecida por Açucena, Amaríllis ou Flor da Imperatriz, é uma planta de cerca de meio metro de altura muito apreciada para fins ornamentais graças a possuir flores bem grandes e de diversas cores como rosa, laranja, branco, vermelho e multicolorido (plantas que foram cruzadas entre as cores citadas). Sua floração geralmente é anual e ocorre principalmente durante o começo do verão

Como Cuidar

Embora seja uma planta que necessita de muito sol para crescer saudável e pode ser criada a pleno sol, durante sua floração pode ter as pétalas queimadas pelo sol a pino e assim não ficar tão vistosa, aconselha-se posicioná-la em lugares que era receba muito sol o dia todo, porém que esteja coberta do sol do meio dia.
É uma planta que não tolera bem variações climáticas extremas durante o inverno, logo durante invernos rigorosos tenha o cuidado de garantir que ela tome bastante sol, porém pouco vento gelado.

Aconselha-se utilizar solo fértil e de boa drenagem, os fungos criados pelo excesso d’água, mesmo que poucos, causam apodrecimento dos botões das flores, e em situações graves, podem matar a planta. Utilize terra vegetal adubada misturada a areia grossa ou outras estruturas de boa drenagem (como lascas de madeira) para melhorar a drenagem dos vazos.


Antúrio

Características

Essa planta de origem colombiana e nome científico Anthurium andraeanum tem uma característica bem curiosa, embora várias pessoas acham que sua estrutura cordiforme vermelha seja uma flor, na verdade é apenas uma folha modificada para chamar mais a atenção dos insetos polinizadores, as reais flores dos antúrios são os milhares de pontos amarelados que crescem na espiga central da inflorescência da planta.
Essa planta é muito utilizada no Brasil por ser bem adaptada ao clima tropical e possuir um ótimo aspecto, com inflorescências de diversas cores diferentes e uma estatura máxima que dificilmente passa de um metro, podemos encontrá-la comumente em vasos ou em jardins formando grandes moitas com várias inflorescências

Onde e Como Plantar

Esta é uma planta de fácil cultivo, sendo bem resistente e apresentando ótimos resultados com um mínimo de cuidado. O mais importante é encontrar um local bem iluminado, mas protegido do sol a pino que pode queimar as folhas da planta (incluindo as inflorescências que também são folhas).
É aconselhável que se plante mudas já grandes, cerca de dez centímetros de estatura, para que assim elas não sintam um grande impacto pelo seu transplante e já comecem a se desenvolver rapidamente.

Tipo de Solo

Nata de floresta equatorial, essa planta necessita de uma grande quantidade de matéria orgânica para se desenvolver, aconselhamos que misture cerca de 50% de fertilizante orgânico a seu substrato. Se estiver plantando no seu jardim, lembre-se de cavar uma cova bom tamanho, adicionar um pouco de areia grossa no fundo para melhorar a drenagem e depois preenchê-la com a mistura da terra ao adubo.

Como Cuidar

Embora não podemos encharcar o solo para não estimular a proliferação de fungos que trazem doenças as plantas, o antúrio necessita de umidade constante, logo regue diariamente, aumentando a dose durante a época de seca, para que o solo nunca fique completamente seco. Adicione um pouco mais de composto orgânico semestralmente para que a planta sempre tenha abundancia de nutrientes e floresça bem. Evite deixá-la em locais com ar condicionado.

Foto de Anturio TropicalFlor de Anturio

Azaleia

Características

As azaleias (ou azálea) são arbustos do gênero rhododendron e de origem oriental que apresentam flores de diferentes colorações e por isso é muito utilizada de forma decorativa ou compondo cercas vivas floridas.


Outra características interessante da azaleia é o fato de serem muito resistentes e florescerem no inverno, época difícil de se encontrar plantas floridas, logo são bem úteis para manter um jardim que tenha ao menos um pouco de flores florindo em todas as épocas do ano.

Como Cuidar

Pelo fato de ser uma planta de exterior bem resistente não há a necessidade de proteger a azaleia do sol e ela não morrerá facilmente mesmo em condições adversas, porém para garantirmos que ela crescerá saudável é aconselhável seguir algumas dicas:
  • Plantá-la em solo de jardim misturado a adubo orgânico. Também é aconselhável utilizar um pouco de areia para auxiliar a drenagem d’água e adubo químico fósforo (Phosphorus) para estimular a melhor floração. Não adicione cal ao solo pois a azaléia tem preferência por terreno ácido, caso o solo já possua cal, adicione algum fertilizante de baixo pH para corrigi-lo.
  • Irrigue frequentemente, porém sempre tenha cuidado para não encharcar a planta, o que causa a proliferação de fungos.
  • No caso de ramos mortos ou que apresentem doenças (como fungos) faça a poda de limpeza. Uma boa época para se podar a azaleia é após a floração, que costuma ocorrer no inverno.
  • Lembre-se que esta é uma planta de exterior altamente resistente ao sol, se pretende criá-la dentro de casa, certifique-se de deixá-la em um local no qual receba bastante luminosidade.
Vaso de AzaleiaFlor AzaleiaFlor de Azaleia Branca 1


Begônia

Características

Esse gênero botânico é composto por mais de mil espécies diferentes de plantas nativas de regiões tropicais, principalmente da América. São encontradas mais comumente no comércio a Begonia elatior, Begonia semperflorens (Begônia cerosa, de jardim ou sempre florida) e espécimes híbridos.
A begônia caracteriza-se por florir abundantemente durante todo o ano, não atingir um porte muito grande e não ser de difícil cultivo, o que faz dela uma das plantas mais comercializadas do Brasil. Embora várias das espécies possam ser cultivadas também em jardins, isto não é muito comum, uma vez que o sol forte causa queimaduras a suas folhas e flore

Cultivo

Onde e Como Plantar

Em geral as begônias são comercializadas envasadas, bastando apenas transplantá-las para o local adequado, caso você não goste do vaso original. Tenha sempre em mente na hora de escolher onde plantar que o sol a pino prejudicará essa planta, logo, se pretende fazer maciços em jardins, faça-os sob a sombra de alguma árvore maior.
Algumas espécies podem ser plantadas a partir de sementes, porém as espécies hibridas são estéreis e não produzem sementes, assim sendo, a forma mais usual de procriar begônias é através de estaquia, removendo ramos com folhas e plantando-os.

Tipo de Solo

Utilize solo preparado similar ao encontrado em florestas tropicais, de boa drenagem e altíssima fertilidade. Para isso misture um pouco de areia e fertilizante orgânico, como húmus por exemplo, antes do plantio.

De tempos em tempos reforce a adubação com um pouco de fertilizante NPK rico em fósforo e mais um pouco de adubo orgânico, esses dois elementos são bem importantes para manter um solo rico e que atenda todas as necessidades de uma planta florífera. Lembre-se obviamente de não exagerar, o excesso de nutrientes pode também ser prejudicial.

Como Cuidar

Irrigue de forma a manter a planta sempre umedecida, as begônias apreciam lugares úmidos, porém nunca encharque-a, ou poderá propiciar a aparição de fungos. Mantenha-a sempre em lugares mais aquecidos e com pelo menos um pouco de iluminação solar, evitando sempre salas com ar condicionado ou corredores demasiadamente escuros.

De tempos em tempos reforce a adubação com um pouco de fertilizante NPK rico em fósforo e mais um pouco de adubo orgânico, esses dois elementos são bem importantes para manter um solo rico e que atenda todas as necessidades de uma planta florífera. Lembre-se obviamente de não exagerar, o excesso de nutrientes pode também ser prejudicial.

Flor de Begônia ElatiorFlor de Begônia


Bela Emília

Pertencente ao gênero Plumbago, essa planta que também é conhecida como dentilária ou jasmim azul consiste em um arbusto nato da África que é cultivado principalmente graças a seus caxos de flores de coloração azul. Essa planta pode ser utilizada tanto em forma de arbustos ao ar livre, quanto em vasos, trepadeiras e cercas vivas.

Como Cuidar

Planta extremamente resistente, pode ser criada em qualquer tipo de solo e debaixo de sol a pino sem problemas. Para otimizar sua produção de flores pode-se valer de regas diárias e adubação tanto com fertilizante orgânico quanto com NPK denso em fósforo. Pode-se utilizar de podas tanto para fazer sua formação quanto para limpeza de ramos e flores mortas.

Flor de Bela EmíliaFoto de Bela Emília


Bromélia

Características

As bromeliáceas são uma família botânica originária das florestas tropicais da América e África Possuidora de mais de três mil espécies diferentes, essa família caracteriza-se pelo fato que em geral as bromélias serem epífitas, de folhas grandes e apresentarem uma enorme quantidade de flores pequenas em enormes caxos, porém apenas uma só vez na vida.
Devido a sua boa adaptação ao clima nacional e uma ótima aparência, que faz dela uma ótima escolha para decorar jardins, as bromélias foram predatóriamente arrancadas de seus ambientes naturais nos últimos anos, o que colocou várias espécies em risco de extinção. Porém atualmente já existem produtores especializados em cultivar estas plantas para vender, sendo assim, é possível adquirir exemplares para a decoração sem denegrir o meio ambiente.
Além de poderem ser utilizadas sob o chão em jardins, pode-se plantar bromélias sobre outras plantas ou em pedras, o que faz dela uma planta bastante versátil no paisagismo.

Cultivo

Como Plantar Bromélias

O plantio varia um pouco de espécie para espécie, embora algumas cresçam sobre o solo comum como outras plantas, a maioria dos exemplares são de plantas epífitas e necessitam de apoios diferenciados, como galhos de árvore, pedras ou preparados similares a xaxins, como os emaranhados de fibra de coco.

Como Cuidar

Irrigue a planta periodicamente, de forma a sempre umedecer o substrato quando ele estiver secando, porém evite encharcar demais, evitando assim a proliferação de fungos.
Caso esteja cultivando sua bromélia sobre o solo, adicione um pouco de fertilizante orgânico semestralmente, já se caso estiver cultivando sobre outro tipo de substrato, utilize alguma forma de adubo químico pulverizável de tempos em tempo para manter sua planta sempre bem nutrida.
Flor de Bromelia AechmeaBromelia Rajada


Camélias

Características

Esta planta de nome científico Camellia japônica, também conhecida como Japoneira, consiste em um arbusto de grande porte nativo da Ásia que apresenta enormes flores multicoloridas que desabrocham durante as épocas mais frias do ano.
Infelizmente é uma planta frágil a climas quentes muito agressivas, o que torna seu cultivo difícil nas regiões mais quentes do país, porém no sul e sudeste é possível achar desta planta adornando a frente de casas

Cultivo

Onde e Como Plantar

Esta é uma planta bem resistente a locais de clima frio, na hora de escolher um local para plantá-la nossa maior preocupação é protegê-la do sol a pino durante seus primeiros meses, ou caso você more em locais muito quentes, deve cultivá-la apenas se tiver a sua disposição a sombra de um árvore de grande porte para proteger sua camélia mesmo quando ela já estiver grande.
Pode-se plantá-la também em vasos em mantê-la protegida do sol em lugares internos bem iluminados, mas lembre-se que mesmo sendo um arbusto, essa é uma planta de grande porte que pode chegar a uns cinco metros de altura, logo utilize um vaso bem grande e mantenha-o em um lugar com um pé direito respeitável.
No momento de plantá-la, cave e revolva bastante o terreno em volta de onde for depositar o torrão para que o solo fique fofo o suficiente para que as raízes da planta cresçam bem. Adicione na cova um solo devidamente preparado para garantir que não faltará a planta nutrientes. Após o plantio irrigue bem durante os meses seguintes, é aconselhável plantá-la antes do começo do verão para que a chuva auxilie esse trabalho.

Tipo de Solo

Devido a essa planta apreciar um solo ácido e denso em nutrientes devemos utilizar uma boa dose de adubo orgânico, porém evitando farinha de osso pois o cálcio deixa o solo menos ácido. Misture a terra cerca de um terço de fertilizante orgânico, preferencialmente um que possua húmus de minhoca, isso garantirá nitrogênio suficiente para o crescimento da planta. A adição de um pouco de areia grossa pode ser útil também para melhorar a drenagem se o solo inicialmente tinha a característica de reter água demasiadamente.

Como Cuidar

Anualmente podemos fazer uma pode de formação, aconselha-se fazer após a época de floração e aproveitar para fazer a limpeza da planta que provavelmente estará coberta de flores mortas.
Regas deverão ser feitas de forma a não deixar que o solo resseque, regando-a em dias intercalados já será o suficiente se ela estiver em meia sombra ou nas épocas mais frias do ano, porém durante o calor ou enquanto a planta ainda está em fase de crescimento nos primeiros anos é interessante reforçar um pouco com os cuidados.

Foto de CameliaFlor de Camélia


Campânula ou sininho

Características

Nativa da Europa, essa planta apelidada de flor sininho ou flor de sino, graças ao formato de suas flores, consiste em um arbusto de pequeno porte, não mais que um metro de estatura, porém que apresenta uma quantidade extremamente numerosa de flores, que ficam geralmente concentrada em caxos bem vistosos.
Graças a sua resistência ao sol se plantada em locais de clima ameno, é bem flexível o desta planta, podemos utilizá-la tanto em vasos na varanda quanto em grande quantidade formando moitas densas e floridas na base de árvores maiores.

Cultivo

Onde e Como Plantar

O maior problema no cultivo do sininho no Brasil é que temperaturas extremamente quentes podem deixar essa planta muito debilitada, logo para as pessoas que habitam regiões mais próximas do equador é aconselhável criá-la em local protegido do calor direto, a meia sombra, ou até mesmo com ar condicionado, mas desde que tenha uma boa iluminação.
Já seu cultivo em regiões mais ao sul, com clima similar ao europeu, pode ser feito sem nenhuma preocupação com o excesso de sol que não afetará negativamente essa planta.

Tipo de Solo

Pode-se utilizar um pouco de areia grossa para melhorar a drenagem do solo em locais que possuem terra muito propícia a alagamento, porém a característica principal que procuramos em um solo para essa espécie é a riqueza de nutrientes para que ela cresça rápido e apresente muitas flores. Por isso devemos adicionar fertilizante orgânico de tempos em tempos ao solo, além de NPK rico em fósforo ou farinha de osso antes das épocas de floração.

Como Cuidar

Irrigue diariamente, principalmente durante as épocas mais quentes do ano que debilitam essa planta, apenas evite encharcar o solo para que assim não favoreça a proliferação de doenças causadas por fungos. Mantendo-a úmida e em solo rico de nutrientes você terá ótimos resultados, sem demasiados problemas.

Flor de Campanula RosaFlor de Campanula Branca


Ciclame

Fotografia de CiclameCiclame Mini Cyclamen


Copo de Leite

Calla


Características

Tanto as planta do gênero Zantedeschia quanto as do gênero Calla recebem a alcunha popular de copo de leite ou boca de jarro devido a aparência de sua flor que é branca e têm o formato de um copo.
Originária da região tropical da África e possuidora de uma baixa estatura, não mais que um metro de altura, essa planta se adapta muito bem com o cultivo tanto em grupos formando moitas floridas quanto em vasos isolados no interior de casa.

Cultivo

Onde e Como Plantar

Esta é uma planta que se adapta muito bem ao clima brasileiro, podendo ser cultivada tanto ao sol quanto em locais cobertos, desde que bem iluminados

Tipo de Solo

Não é necessário se preocupar muito com a drenagem uma vez que essa planta vive muito bem em solos demasiadamente úmidos, porém garanta que haverá uma fartura de nutrientes misturando uma grande quantidade de fertilizante orgânico antes do plantio. A adubação com NPK rico em fósforo pode ser feita posteriormente antes de cada floração para estimular uma maior produção de flores.

Como Cuidar

Esta é uma planta bem resistente, necessita apenas de possuir um solo bem umidificado, preferencialmente com regas diárias, além de bastante luz solar, não necessariamente direta. Pode-se fazer podas de limpeza após as florações para remoção de ramos e flores mortas e anualmente reforçar a dose de adubos no solo

Características

Nata da Europa e da Ásia, essa é uma planta florífera muito cultivada em vasos graças a seu pequeno porte, menos de meio metro de estatura, folhas verde escuro e flores coloridas muito vistosas que contrastam com a cor de suas folhas causando um ótimo efeito no ambiente. Costuma florescer mais no final do inverno e início da primavera, podem ficar floridas o ano todo dependendo da forma de cultivo, porém tendem a morrer se passarem muito tempo a florescer graças ao enorme desgasto que isso causa a planta

Cultivo

Onde e Como Plantar

Geralmente é plantada em vaso, embora possa ser criada em área externa desde que devidamente protegida do sol a pino. Devemos sempre mantê-la em local que receba uma boa quantidade de iluminação indireta, ou então que receba luz direta de manhã ou a tarde. Utilize solo fértil, geralmente o que a planta vier plantada da floricultura já terá a composição ideal, porém se necessitar plantá-la em outro lugar, não esqueça de adicionar um pouco de adubo orgânico e NPK rico em fósforo no começo da floração.

Como Cuidar

O ideal é que reguemos essa planta em dias alternados, não podemos deixar o solo secar, porém o excesso de água também pode matar essa planta, que alias é bem sensível a doenças. Graças a isso esteja sempre atento em remover ramos mortos que podem ser um prato cheio para a proliferação de bactérias e fungos.
Após o termino da floração lembre-se de reduzir a água e não adicionar mais fósforo durante alguns meses para que a planta descanse por um tempo, você pode tentar manter a floração dessa planta por mais tempo que o natural através da rega e adubação, porém ela provavelmente morrerá em pouco tempo. Após o tempo de dormência, logo antes do inicio de uma nova época de frio, volte a adicionar um pouco de adubo orgânico e NPK ao solo.

Cravina

A Cravina é uma planta herbácea, anual, com 30 a 40 cm de altura. Ela possui flores solitárias, simples, de cores vermelhas, róseas, arroxeadas, brancas ou com mesclas de cores. Sua principal característica são as pétalas largas com bordas serrilhadas, presentes nas suas flores, que geralmente surgem no verão. As mini-rosas são as plantas ideais para acompanhá-las nos jardins.
É muito utilizada em jardins, em maciços e bordaduras, criando um efeito campestre. Seu uso em ambientes internos é muito restrito, devido à necessidade de sol direto.
Como cuidar: A cravina cresce bem em sol pleno em locais mais frios, e prefere locais com sombra à tarde em locais mais quentes. A planta aprecia o frio do sul do país, sendo lá a região mais adequada ao seu cultivo.
Deixe o solo secar levemente antes de regar novamente, mantendo o solo úmido.
Na realidade, a planta pode durar mais de 1 ano, mas devemos tratá-la como anual, renovando os canteiros todos os anos para que ela fique sempre bonita.
Como reproduzir: Multiplica-se por sementes, que devem ser postas para germinar no período do outono-inverno, para florescerem nos meses de inverno e primavera. A germinação deve ocorrer em torno de 7 dias. Transplante ao local definitivo de 18 a 25 dias após a germinação.



Crista de Galo
Nome Técnico:Celosia argentea L.
Nomes Populares :Crista de galo, crista plumosa
Família :Família Amaranthaceae
Origem: Originária da Índia.

Descrição:Planta herbácea de ciclo de verão, caule ereto até 0,60 m de altura, caule suculento e pouco ramificado.
Folhas verde claro ou levemente avermelhadas, abundantes e inflorescência em espigas plumosas nas cores cores creme, amarela, laranja,rosa, e púrpura.
Floresce na época de final de primavera a final de verão, em climas amenos a quentes, e não tolera temperaturas baixas.

Modo de Cultivo :A partir de sementes para locais ensolarados e solo preparado com composto orgânico e bem drenado com regas frequentes nos meses de verão.
Em locais de clima ameno a tropical pode ser cultivada todo o ano.

Paisagismo:Muito usada em canteiros grandes de uma só cor ou em manchas coloridas formando desenhos, tem sido uma das preferidas de verão para parques e empresas.
Para jardineiras e vasos é uma excelente opção para os meses de verão junto à piscina, pois seu efeito ornamental é muito bom.
Para vasos em sacadas recomenda-se a proteção contra os ventos com outras plantas.
Faz belo efeito em terminações de vasos de plantas verdes.



Crossandra
Crossandra é um gênero de plantas floríferas nativo da Africa e Ásia e que contém cerca de cinquenta espécies, sendo a mais comumente criada a infundibuliformis e a “fortuna”, apelidadas de Crossandra Laranja e Crossandra Salmão respectivamente.
As plantas desse gênero podem chegar a quase um metro de altura e apresentam algumas flores de coloração forte durante todo o ano, porém especialmente em épocas que outras plantas não costumam florescer, fazendo assim dela um ótimo artifício para se ter flores em seu jardim ou vasos durante todo o ano. Pode-se usar várias delas também para criar grupos de arbustos baixos, cercando lugares onde o objetivo não é dificultar acesso, mas sim apenas separar áreas de seu jardim.

Como Cuidar

Devemos utilizar solo misturado a adubo orgânico e areia grossa no intuito de auxiliar o crescimento da planta e ter uma boa drenagem. Pouco antes da planta começar a desenvolver suas flores, pode-se adicionar também um pouco de adubo NPK com grande concentração de fósforo para estimular a planta a ter uma floração mais intensa.

Irrigue-a diariamente, mas sempre observando a quantidade para não encharcar a planta ou criar poças d’água. Pode-se fazer uma poda de limpeza e remover ramos mortos sempre que acabar a época de produção de flores.
Desaconselha-se criá-la em locais de climas muito frios ou em locais muito ensolarados, uma vez que estes elementos podem queimar suas pétalas e até danificarem gravemente a planta.
Foto de CrossandraFlor de Crossandra

Um comentário:

Fish